Publicidade


jun 21

21 junho 2018

Agricultores familiares de Araripina, Bodocó e Ouricuri recebem mais de 1 mil títulos do Governo de Pernambuco

Publicidade


Documentos, que garantem a posse definitiva da terra, são frutos do trabalho realizado pelo Instituto de Terras e Reforma Agrária do Estado (Iterpe), em parceria com a Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) e com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra)

As famílias rurais que vivem da agropecuária na região do Araripe foram beneficiadas com a entrega de 1.016 títulos de domínio já registrados em cartório, durante solenidades promovidas pelo Governo do Estado. Desse total, 547 títulos contemplaram famílias de agricultores de Bodocó; 203 de Araripina e 266 de Ouricuri, representando o avanço do trabalho de Regularização Fundiária das áreas rurais desses municípios e mais segurança jurídica das posses dos imóveis, permitindo a permanência dos trabalhadores e das trabalhadoras do campo na terra.

“Com a força do nosso trabalho vamos continuar avançando em parceria com os municípios, levando títulos que permitem a segurança jurídica aos agricultores da posse da terra e muitas outras ações estruturantes que garantem o desenvolvimento rural em Pernambuco”, afirmou o governador Paulo Câmara durante as solenidades de entregas dos títulos.

A partir dos títulos de acesso à terra em mãos, os agricultores e agricultoras conseguem ter a segurança jurídica de viver no imóvel rural porque passam a ter o direito do domínio da terra. Somente a partir do documento em mãos é que podem buscar créditos junto aos agentes financeiros para potencializar sua produção. Em Pernambuco, o Governo do Estado já garantiu, de 2015 até o momento, mais de 9 mil títulos de domínio, documento com o qual o posseiro passa a ser proprietário e o título é entregue somente após o registro no cartório.

Avanço da Regularização Fundiária no Araripe

As ações de Regularização Fundiária Rural no Sertão do Araripe são realizadas pelo Iterpe, órgão vinculado à Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária do Estado, executas através da Unidade Regional da Instituição, que tem sede em Ouricuri. A realização do trabalho contempla uma série de etapas que envolvem ações de fotocadastro e georreferenciamento (medição), na qual foi executada em parceria com o Governo Federal, e cadastramento socioeconômico dos beneficiários, além de procedimentos jurídicos que auxiliam os agricultores a regularizarem seus imóveis rurais.

“A Regularização Fundiária é uma política pública que possibilita às famílias rurais exercerem a posse em terras públicas integrantes do patrimônio fundiário do Estado de Pernambuco. É a partir do resultado das ações dessa política que agricultores e agricultoras recebem o Título de Domínio e passam a ter o direito da posse. São ainda beneficiadas pelas ações as pessoas que comprovem que o imóvel rural possui registro imobiliário há mais de quinze anos, considerado um dos requisitos para receberem o Título de Reconhecimento de Domínio”, explicou o presidente do Iterpe, André Negromonte.

“A posse é uma situação de fato, é a mera ocupação do imóvel rural, e existe independentemente da existência de algum documento. Assim, a pessoa que não tem o título (registro imobiliário), mas tem o imóvel rural como seu, exerce sobre ele apenas a posse. Muitas famílias rurais possuem apenas contratos de compra e venda, mas não tem o registro imobiliário, sendo, portanto, meras possuidoras. ‘Só é dono quem registra o imóvel’, assim, a propriedade é a situação de direito, isto é, ocorre a partir do registro imobiliário do título. Quem tem o título registrado em cartório é o verdadeiro dono do imóvel rural”, esclareceu o assessor jurídico do Iterpe, Lucas Brandão.

Com essa entrega, o Governo do Estado garantiu em Pernambuco, de 2015 até o momento, mais de 12 mil títulos de acesso à terra gratuitos e já registrados em cartório, entre títulos de propriedade/domínio e de Concessão de Direito Real de Uso.

Mirthis Novaes


Postado em Sertão | Por

jun 21

21 junho 2018

AMMA orienta população sobre procedência de madeira para fogueira de São João

A época das festas juninas chegou e com ela, surgem as fogueiras que fazem parte da tradição nordestina em comemoração ao São João. Nas ruas de Petrolina, já é possível encontrar troncos de árvores amontoados para montagem dessas fogueiras que fazem parte da alegria de muitas crianças e adultos nessa época do ano.

Para garantir a segurança da população e proibir o desmatamento ilegal, a Prefeitura de Petrolina através da Agência Municipal do Meio Ambiente (AMMA), está acompanhando a procedência desse material que vem sendo comercializado na região. Segundo a Lei Federal nº 6.514//08, transformar madeira oriunda de floresta ou demais formas de vegetação nativa em carvão, para fins econômicos ou não, sem licença ou em desacordo com as determinações legais, é crime sujeito a pagamento de multa.

Publicidade

A gerente de Fiscalização e Educação Ambiental, Júlia do Vale, explica quais são as espécies que podem ser utilizadas.  “Recomenda-se para uso de lenha para fogueiras de São João, madeiras exóticas ou de poda. Para quem deseja comercializar plantas nativas, é necessário a emissão do Documento de Origem Florestal (DOF)”, afirma.

Para emitir esse documento, os comerciantes devem procurar a CPRH/ Agência Estadual do Meio Ambiente ou Ibama, onde eles irão efetuar um registro e analisar se a madeira é de procedência legal, ou seja, o material não corre nenhum risco de extinção. As denúncias podem ocorrer através do telefone 156 (Ouvidoria Geral do Município).

Além dos comerciantes, a população deve estar ciente de alguns cuidados que devem ser  tomados ao acender uma fogueira, como não montar perto de locais com fiação elétrica, como linha de transmissão ou iluminação pública, não utilizar líquidos inflamáveis como gasolina, álcool ou óleo diesel, que podem causar queimaduras e acidentes graves, e que para apagar a fogueira sempre utilizar água e recolher os restos das cinzas e brasas.

exto: Jhulyenne Souza* – Estagiária AsCom Prefeitura de Petrolina
*Sob supervisão de Adailma Gomes

Fotos: Jonas Santos

 


Postado em Sertão | Por

jun 21

21 junho 2018

Após visita do governador, Roberto Tavares acompanha ajustes finais das Adutoras do Moxotó e do Agreste

Pré-operação do novo sistema será iniciada em julho

A equipe da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) realiza os últimos ajustes para iniciar a fase de testes e pré-operação das Adutoras do Moxotó e Agreste, que vão operar de forma integrada, para levar água do Rio São Francisco à Arcoverde e mais nove cidades do Agreste. Um dia após a visita do governador Paulo Câmara ao distrito de Rio da Barra, em Sertânia – quando ele acionou a comporta que liberou água do Açude do Moxotó para a primeira Estação Elevatória de Água Bruta (EEAB 1) – o presidente da Compesa, Roberto Tavares, permaneceu na cidade para inspecionar, hoje (21), a nova adutora, que será a primeira ligação do Eixo Leste da Transposição do Rio São Francisco com a região Agreste. Junto com o diretor Técnico e de Engenharia, Rômulo Aurélio, e engenheiros responsáveis pelas obras, Tavares também acompanhou os ajustes finais  em todas as unidades operacionais que compõem o novo sistema, antes da fase de testes, que inicia em julho.

Mais de 250 trabalhadores estão divididos em 20 frentes de serviços para concluir as interligações dos sistemas  que permitirão a água chegar nas cidades. Na visita de hoje, o presidente da Compesa vistoriou  os pontos de  derivação da  adutora principal  que irá  transportar água para as cidades de Arcoverde, Pesqueira, Belo Jardim e São Caetano. “Inspecionar essas obras nos enche de orgulho porque esse empreendimento não teria sido pensado e executado sem o esforço dos profissionais da companhia, que se dedicaram em tempo integral para a execução dessa grande obra”, argumenta Roberto Tavares.

A operação da adutora, empreendimento bastante aguardado por mais de 400 mil pessoas que residem nas dez cidades beneficiadas, vai transportar água do Rio São Francisco numa extensão de 70 quilômetros, até a Estação de Tratamento de Água (ETA) em Arcoverde, município do Sertão, que sempre sofreu com a escassez de recursos hídricos, e que será agora a ‘porta das águas’, o ponto de partida para a distribuição para as demais cidades. Também em Arcoverde, a Adutora do Moxotó foi interligada à Adutora do Agreste – cerca de 110 quilômetros de trechos de tubulações já assentadas – para transportar água para as cidades de Pesqueira, Alagoinha, Venturosa, Pedra, Sanharó, Belo Jardim, Tacaimbó, São Bento do Una e São Caetano.

Ao avaliar a importância da obra de integração da Adutora do Agreste/Adutora do Moxotó, o presidente da Compesa, Roberto Tavares, lembrou da preocupação do governador, no ano de 2015, quando a obra da Adutora do Agreste avançava e o Ramal do Agreste, obra tocada pelo governo federal, ainda não havia saído do papel. “Naquele ano, Paulo Câmara nos solicitou a realização de estudos técnicos  para garantir a segurança hídrica da Região e viabilizassem  a antecipação do uso das águas da Transposição do Rio São Francisco, mesmo sem a construção do Ramal do Agreste, um projeto  ainda não iniciado”, informou Tavares. A alternativa encontrada pelos técnicos da Compesa para usar as águas do São Francisco foi a construção do Sistema Adutor do Moxotó, um investimento de R$ 85 milhões.

O Sistema Adutor do Moxotó é composto por três estações elevatórias (bombeamento) – EEAB 1 e EEAB 2 localizadas nos distritos de Rio da Barra e de Cruzeiro do Nordeste, respectivamente, ambos em Sertânia, e EEAB 3, em Arcoverde – além da própria adutora, com capacidade de transportar 450 litros de água, por segundo.

Assessoria de Imprensa da Compesa


Publicidade


Postado em Sertão | Por

jun 20

20 junho 2018

Sebrae participa de reunião para política de apoio financeiro à ovinocaprinocultura

Objetivo é encontrar soluções para o apascentamento deficitário e baixa produtividade dos agentes econômicos.

Na última terça-feira (19), o Banco do Nordeste – BNB, se reuniu com as lideranças do Comitê Gestor do Fórum Territorial da Ovinocaprinocultura, em Floresta-PE, para apresentar o EDITAL FUNDECI 01/2018, que trata da Política de Desenvolvimento Territorial de apoio financeiro com recursos não reembolsáveis, por meio da formalização de Convênios.

De acordo com a Analista do Sebrae, Auxiliadora Vasconcelos, a ideia é atender o desenvolvimento de projetos que contemplem a difusão de soluções inovadoras e sustentáveis. “Precisamos encontrar respostas para os principais desafios da atividade da ovinocaprinocultura na região, bem como o apascentamento deficitário e baixa produtividade, enfrentados pelos agentes econômicos da atividade priorizada no PRODETER- Programa de Desenvolvimento Territorial”.

A reunião contou com a participação do SEBRAE-PE, Prefeitura Municipal de Floresta, Secretário de Agricultura Tulio Laranjeira, CMDRS de Floresta, COMDESP-Petrolândia, CMDRS-Itacuruba, cooperativas ASCOPETRO e COOPERCAPRI.

 

Colaboração de Rochany Rocha

Assessoria de Imprensa


Postado em Sertão | Por

jun 20

20 junho 2018

Como as empresas podem contribuir com a economia inclusiva?

*Por Wellington Rodgério

 

Certamente você já ouviu falar sobre a economia inclusiva, tema muito debatido e considerado “na moda”, mas pouco aplicado na prática no Brasil. O termo, também conhecido como economia sustentável, tem como finalidade atender às necessidades e os direitos dos seres humanos, criando oportunidades para a geração de renda, promovendo a distribuição equitativa da riqueza e, assim, permitir o acesso a bens e serviços públicos para garantir condições de vida digna para toda a população, reduzindo as desigualdades sociais e erradicando a pobreza.

De acordo com o Ranking de Desenvolvimento Inclusivo, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial neste ano, o Brasil ocupa a 37ª posição no grupo dos países emergentes.  Os critérios avaliados pelo Ranking são o crescimento e desenvolvimento, a inclusão e administração sustentável dos recursos financeiros e naturais. Diante desse cenário, é possível concluir que estamos muito atrasados e precisamos evoluir.

Por compreender a importância da economia inclusiva, o tema foi debatido durante a reunião do Fórum Econômico Mundial deste ano, em Davos, na Suíça. A preocupação principal é sobre como tratar a repartição de renda. Especialistas afirmam que não há outra forma que não seja a economia compartilhada. Vale destacar, inclusive, que esse assunto não é apenas um problema do poder público, mas de todo mundo, inclusive das empresas.

O Papa Francisco enviou uma mensagem ao Fórum em Davos, enfatizando que “é fundamental salvaguardar a dignidade da pessoa humana”, sobretudo “oferecendo a todos reais oportunidades para um desenvolvimento humano integral, através de políticas econômicas que favoreçam a família”.

Dentro do âmbito de negócios também é preciso melhorar a nossa cultura de competição de livre mercado. Ao cumprirem-se as leis, a livre concorrência ajudará a evitar a concentração exagerada de alguns mercados e garantirá as mesmas oportunidades a todos, evitando o estrangulamento de cadeias produtivas.

Além de analisar todas essas influências externas, as companhias não podem esquecer de olhar internamente: os seus processos são sustentáveis? É fundamental enxergar todos os elos da cadeia: desde os extrativistas em uma atividade primária, até o exercício da inovação no uso intensivo da tecnologia, de forma que todos sejam beneficiados, e, além disso, garantir a proteção dos recursos naturais, para evitar que a expansão dos seus negócios não signifique a devastação.

Para concluir, tanto o poder público como as empresas devem exercer o seu papel, pois assim, vamos conseguir melhorar não somente a nossa colocação no ranking, mas também, garantir condições para um ambiente intolerante à corrupção e comprometido com a justiça social – o que certamente resultará na inclusão de todos.

* Wellington Rodgério é diretor financeiro do Grupo Sabará, empresa especializada no desenvolvimento de tecnologias, soluções e matérias-primas de alta performance, voltadas aos mercados de tratamento de águas, cosméticos, nutrição e saúde animal e à indústria de alimentos e bebidas.


Postado em Ciência e Tecnologia | Por

jun 20

20 junho 2018

Depois de Arcoverde Paulo Câmara segue por Sertânia até Serra Talhada

Arcoverde e Serra Talhada também na agenda de Paulo Câmara nesta quarta – A prefeita de Arcoverde, Madalena Britto, recebe hoje, quarta-feira, dia 20, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara. O governador vai  assinar a Ordem de Liberação do FEM 15, o Convênio da Reforma do Estádio Municipal Áureo Bradley e a autorização da licitação para ampliação do Sistema de Esgotamento Sanitário de Arcoverde – 1ª Etapa. Paulo Câmara chega às 9h e vai direto para a Escola de Referência em Ensino Médio de Arcoverde – Erema com a Caravana da Educação.

Às 10h, a agenda segue com a Caravana da Educação na Escola de Referência em Ensino Médio Carlos Rios – Erem e às 10h30, na Escola Técnica Estadual – ETE Arcoverde – Professor Francisco Jonas Feitosa Costa. 

A assinatura das Ordens de Serviço vai acontecer logo após a inauguração da Unidade Regional da Polícia Científica do Sertão do Moxotó, que vai funcionar na Rua Sebastião de Souza Ferraz, nº96, no bairro de São Miguel. Em Serra Talhada, às 18h,  haverá ato inaugural da PE 414, a Rodovia Argemiro Pereira de Menezes, com investimento de R$ 31 milhões do governo de Pernambuco. Câmara estará acompanhado do deputado Sebastião Oliveira. A obra, autorizada quando Oliveira era Secretário, tem 24 quilômetros de pavimentação.

Colaboração de Anchieta Santos


Postado em Política | Por

jun 19

19 junho 2018

DER finaliza operação tapa-buracos em estrada do Pajeú

 
Importante rodovia que liga Triunfo a outras localidades sertanejas, a PE-350 foi contemplada com a operação tapa-buracos. Realizada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Transportes, a iniciativa melhorou as condições de trafegabilidade e reforçou a segurança dos usuários da via. Mais de 15 mil pessoas foram beneficiadas pela intervenção.  
 
Executados pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER), os serviços aconteceram no trecho de nove quilômetros da PE-350, que liga a PE-320 ao perímetro urbano de Triunfo, importante município do Sertão do Pajeú. A via também é muito utilizada para o escoamento dos produtos agrícolas da região, com destaque para os cultivos de abacate, banana, goiaba, além da produção da rapadura e do mel de engenho.
Turismo
 
A PE-350 encurta a distância para Triunfo, cidade bastante visitada em função dos diversos pontos turísticos que concentra, como parque aquático, museu e teleférico. “Essa é mais uma reivindicação dos sertanejos atendida pela gestão do governador Paulo Câmara. Estamos garantindo o melhor ir e vir da população”, destacou o diretor de Operações e Construção do DER, Silvano Carvalho.
Assessoria de Comunicação do DER-PE

Postado em Sertão | Por

jun 19

19 junho 2018

Cidade cenográfica encanta visitantes com forró pé de serra no Pátio Ana das Carrancas

Batizada de ‘Vila São Francisco’, a cidade cenográfica do Pátio Ana das Carrancas, tem encantado os visitantes do ‘Melhor e Mais Forte São João do Brasil’. Além da arquitetura que lembra os antigos arraiás petrolinenses, o lugar conta com forró pé de serra todos os dias.

 

A vila fica aberta das 20h30 às 2h diariamente e no espaço há mercearia; budega; lambe-lambe; igrejinha; prefeitura e também tendas com brincadeiras como roleta da sorte, jogo de argolas e escalada, completam o encanto e a diversão da ‘Vila São Francisco’.

 

Para o secretário de Cultura, Turismo e Esportes, Emicio Junior, o espaço foi pensado de maneira que toda família possa aproveitar os dias de São João. “Pensamos em um espaço para que as famílias e as pessoas que forem ao Pátio Ana das Carrancas possam aproveitar e se divertir, independente da idade. Além disso, é mais um espaço em que nossas atrações locais têm destaque diário e podem mostrar o trabalho desempenhado com o bom forró tradicional” afirma.

 

O São João de Petrolina é uma realização da prefeitura, através da Secretaria de Cultura Turismo e Esportes. Os shows no Pátio Ana das Carrancas vão até o dia 23 de junho e começam todos os dias às 19h.

Fotos: Jonas Santos 

Giomara Damasceno

Assessora de Imprensa da Secretaria de Cultura, Turismo e Esportes (SECULTE)


Postado em Sertão | Por

jun 19

19 junho 2018

Prefeito de Sertânia parabeniza atleta sertaniense que ganhou mundial em Feira de Santana

Atleta sertaniense é campeão mundial

 

Diogo Morais, atleta sertaniense de 21 anos, foi 1° lugar na categoria “Pena” (de 67 a 70 kg), no último dia 09 de junho, no Campeonato Mundial FIJJD de jiu-jítsu, em Feira de Santana, na Bahia. O Governo Municipal, que valoriza o esporte, deu total apoio ao competidor. Entre os dias 14 e 15 de julho, o lutador participa da Segunda Etapa do Campeonato Pernambucano, no Recife. Na manhã desta terça-feira (19), o prefeito Ângelo Ferreira recebeu o atleta em seu gabinete para dar os parabéns.

Colaboração da Assessoria


Postado em Sertão | Por

jun 19

19 junho 2018

Prefeitura de Serra Talhada confirma premiação da 7ª Corrida da Fogueira

Serra Talhada promoveu 7ª Corrida da Fogueira
A Prefeitura Municipal de Serra Talhada, através da Secretaria de Esportes e Lazer, realizou mais uma edição da Corrida da Fogueira, no último domingo (17), dentro da programação do São João das Tradições.
Cerca de 250 corredores participaram da competição, que já está em sua sétima edição. Houve premiação para os dezoito melhores colocados nas categorias masculino e feminino, nas provas de 5 km e 10 km.
Confira a premiação:
10KM (MASCULINO)
1° Pedro Paulino
2° Edilson Silva

3° Adijean Jesus

4° Edivaldo Lopes 

5° José Emiliano

6° Francisco Luis
 
10 KM (FEMININO)
1° Lucicleide Tomé
2° Joselma Rocha
3° Adriana Pereira
4° Ivaneide Alves

5° Simone Pereira

6° Paula Francinete
 
5 KM (MASCULINO)
1° Samuel Jeferson
2° Daniel da Silva

3° João Batista
 
5 KM (FEMININO)
1° Marília Izabela 
2° Mary Rose

3° Maria das Graças
Colaboração da Assessoria

Postado em Sertão | Por

Página 28 de 1.021« Primeira...1020...2627282930...405060...Última »