Publicidade


Dia Nacional da Leitura ūüďö: Jovens contam como criaram o h√°bito de ler e professor fala da import√Ęncia do incentivo na inf√Ęncia

12 out 2021|Postado em:Agreste

Joelena Brito tem 26 anos, √© estudante de medicina e uma apaixonada pela leitura ‚ÄĒ Foto: Arquivo pessoal

Joelena Brito, de 26 anos, e Maria Eduarda Azevedo, de 20, leem desde crian√ßa. ‘A leitura √© imprescind√≠vel para a aquisi√ß√£o de vocabul√°rio, para o racioc√≠nio’, diz o professor Menelau J√ļnior.

“Misturei tudo. Eu lia romance para mocinhas, livro cor de rosa, misturado com Dostoi√©vski”.

 

Em uma das √ļltimas entrevistas que concedeu, a escritora Clarice Lispector deu como resposta a frase acima ap√≥s ter sido questionada sobre o que gostava de ler e como come√ßou a desenvolver o h√°bito da leitura. Nesta ter√ßa-feira (12), comemora-se no Brasil o Dia Nacional da Leitura,¬†h√°bito que traz in√ļmeros benef√≠cios, n√£o importando o conte√ļdo das p√°ginas, como uma vez ponderou Clarice.

Duas jovens estudantes apaixonadas por leitura, Joelena Brito, de 26 anos, e Maria Eduarda Azevedo, de 20, residentes em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, conversaram com o g1 e explicaram como se interessaram por livros, quantas obras buscam ler por ano, e ainda deram dicas para quem quer se aventurar por entre as páginas de alguma obra, mas não sabe por onde começar.

Joelena √© estudante de medicina e contou que n√£o sabe precisar quando come√ßou a ler. “Mas sei que foi ainda muito pequena”, afirmou. Para Maria Eduarda, que cursa direito, n√£o foi muito diferente. Ela tamb√©m come√ßou a ler na inf√Ęncia, quando tinha em torno de 11 anos.¬†O que as duas t√™m em comum no h√°bito da leitura √© a pessoa que as incentivou a ler: a m√£e.

“Misturei tudo. Eu lia romance para mocinhas, livro cor de rosa, misturado com Dostoi√©vski”.

 

Em uma das √ļltimas entrevistas que concedeu, a escritora Clarice Lispector deu como resposta a frase acima ap√≥s ter sido questionada sobre o que gostava de ler e como come√ßou a desenvolver o h√°bito da leitura. Nesta ter√ßa-feira (12), comemora-se no Brasil o Dia Nacional da Leitura,¬†h√°bito que traz in√ļmeros benef√≠cios, n√£o importando o conte√ļdo das p√°ginas, como uma vez ponderou Clarice.

Duas jovens estudantes apaixonadas por leitura, Joelena Brito, de 26 anos, e Maria Eduarda Azevedo, de 20, residentes em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, conversaram com o g1 e explicaram como se interessaram por livros, quantas obras buscam ler por ano, e ainda deram dicas para quem quer se aventurar por entre as páginas de alguma obra, mas não sabe por onde começar.

Joelena √© estudante de medicina e contou que n√£o sabe precisar quando come√ßou a ler. “Mas sei que foi ainda muito pequena”, afirmou. Para Maria Eduarda, que cursa direito, n√£o foi muito diferente. Ela tamb√©m come√ßou a ler na inf√Ęncia, quando tinha em torno de 11 anos.¬†O que as duas t√™m em comum no h√°bito da leitura √© a pessoa que as incentivou a ler: a m√£e.

“Minha m√£e amava livros e sempre tinha algum com ela. Vendo aquele momento de sil√™ncio no qual ela se envolvia com a leitura, eu ficava querendo imitar e a√≠ comecei a pedir um livro para mim tamb√©m. A partir de ent√£o,¬†ela come√ßou a me dar gibis e da√≠ para frente continuei cultivando o h√°bito de leitura, at√© chegar aos livros, quando eu tinha em torno de 9 ou 10 anos”, detalhou Joelena.

Para Maria Eduarda, al√©m da m√£e, outra pessoa tamb√©m foi importante neste processo. “Duas pessoas foram cruciais para que eu me apaixonasse pela leitura: minha m√£e, que apesar de estar desenvolvendo o h√°bito de ler h√° poucos meses,¬†sempre me incentivou, comprando livros para mim e me mostrando o quanto a leitura √© significativa para o meu crescimento; e Vit√≥ria, uma grande amiga que me apresentou os livros da Kiera Cass e me fez nunca mais desapegar da leitura”, disse.

Maria Eduarda Azevedo tem 20 anos, √© estudante de direito e uma apaixonada pela leitura ‚ÄĒ Foto: Arquivo pessoal

Sobre tanto Joelena quanto Maria Eduarda terem recebido o incentivo da m√£e para desenvolver o h√°bito da leitura, o professor de L√≠ngua Portuguesa e Reda√ß√£o, Menelau J√ļnior, explicou ao¬†g1¬†que tal est√≠mulo √© muito importante.

“A leitura muito dificilmente vai acontecer sem que haja um est√≠mulo.¬†Da√≠ o papel important√≠ssimo da fam√≠lia nesse processo, principalmente nos anos iniciais, enquanto √© mais f√°cil, de certa maneira, colocar essa paix√£o da crian√ßa para fora. Ent√£o,¬†vejo que a responsabilidade da fam√≠lia √© muito grande nesse processo dos anos iniciais, em que a crian√ßa est√° sendo alfabetizada e em que ela se apaixona pelas figuras, pelos livros, pelo colorido. Acho que √© preciso explorar nesse sentido”, justificou o professor.

Livros lidos por ano

 

De acordo com a Ag√™ncia Brasil, a pesquisa “Retratos da Leitura no Brasil” apontou que o “brasileiro l√™, em m√©dia, cinco livros por ano, sendo aproximadamente 2,4 livros lidos apenas em parte e, 2,5, inteiros”. Em contrapartida, a realidade de Joelena e Maria Eduarda √© diferente.

A futura advogada costuma ler cerca de 30 livros por ano, mas em 2021 resolveu se desafiar. “Decidi aumentar a quantidade para 50. No entanto, ultimamente, a faculdade tem tomado meu tempo di√°rio de leitura e n√£o me deixa completar as minhas metas anuais”, brincou. “Apesar disso,¬†n√£o me apego ao n√ļmero e sim a qualidade. A quantidade √© s√≥ uma quest√£o de meta anual, mas n√£o me frustro quando n√£o leio”, completou Maria Eduarda.

Para a futura m√©dica, a quantidade de livros lidos de janeiro a dezembro vai depender muito do ano. “No ano de 2020, por exemplo, quando a pandemia estava no auge e eu passava muito tempo em casa, consegui ler 66 livros. J√° agora, em 2021, acho que li em torno de 26, e n√£o devo chegar muito longe at√© o final do ano, se comparado com o que passou. Mas j√° aconteceu de eu ler 10 no ano ou at√© nenhum.¬†Vai muito do momento que estou vivendo na minha vida¬†e se consigo encaixar a leitura como algo saud√°vel nesse momento”, explicou Joelena.

O que a leitura pode proporcionar?

 

V√°rias institui√ß√Ķes j√° realizaram pesquisas sobre os benef√≠cios da leitura. De acordo com uma pesquisa feita por cientistas nos Estados Unidos, e que foi publicada no jornal brit√Ęnico¬†Daily Mail, o¬†h√°bito de ler melhora o funcionamento do c√©rebro.¬†J√° um estudo feito pela Universidade de Sussex, no Reino Unido, apontou que a¬†leitura ajuda a diminuir os n√≠veis de estresse, al√©m de outros benef√≠cios.

“A leitura √© imprescind√≠vel para a aquisi√ß√£o de vocabul√°rio, para o racioc√≠nio, para o conhecimento de mundo. […] J√° na fase adulta, sem d√ļvida alguma, as pessoas que t√™m mais leitura, t√™m mais conhecimento de mundo, n√£o ficam presas √†s suas ‘bolhinhas’ sociais, normalmente. √Č algu√©m que √© mais capaz de fazer uma reflex√£o mais aprofundada de tudo que a cerca. Isso √© imprescind√≠vel para o desenvolvimento pessoal”, pontuou Menelau J√ļnior.


Publicidade



O professor ainda acrescentou que ler tamb√©m pode ser uma grande divers√£o. “[A leitura] √© capaz de nos transportar para mundos inimagin√°veis, com criaturas inimagin√°veis, e fazer, de fato, que a gente possa viajar sem sair de casa”, completou.

Ao¬†g1, Joelena revelou que a leitura proporcionou a ela amizades que surgiram em um ponto de √īnibus, enquanto ela tirava o livro da bolsa e a outra pessoa iniciava uma conversa sobre a obra ou sobre livros em geral. “Hoje, compartilhando meu amor pela leitura atrav√©s das redes sociais, tenho amigos de todo o Brasil e fa√ßo parte de v√°rios grupos onde conversamos sobre livros, marcamos para ler juntos as mesmas obras, e √© muito legal”, contou.

“Acho que¬†tamb√©m desenvolvi mais empatia, j√° que os livros me permitem conhecer realidades diferentes da minha e entender que o mundo vai muito al√©m do que eu consigo vivenciar dentro da minha exist√™ncia. E tamb√©m desenvolvi muita facilidade para escrita, apesar de ser p√©ssima com portugu√™s, mas, de tanto ler, termina que a coisa flui”, destacou a estudante de medicina.

 

Por outro lado, Maria Eduarda afirmou que a melhor coisa que a leitura proporcionou a ela foi ser reconhecida por ser leitora, al√©m de usar essa caracter√≠stica para influenciar as pessoas do conv√≠vio dela a ler. “Pude abrir uma livraria online e vender livros, na qual pude compartilhar e incentivar diversas outras pessoas com o melhor que um livro pode nos favorecer”, ressaltou.

“Eu tamb√©m fiz uma campanha no ano passado, no Dia das Crian√ßas. Atrav√©s da minha livraria, eu¬†consegui arrecadar 143 livros para doar¬†para uma comunidade carente. Eu doei para 143 crian√ßas. Uma das grandes coisas, tamb√©m, que os livros j√° me proporcionaram”, lembrou a estudante de direito.

 

Ao¬†g1, Joelena revelou que a leitura proporcionou a ela amizades que surgiram em um ponto de √īnibus, enquanto ela tirava o livro da bolsa e a outra pessoa iniciava uma conversa sobre a obra ou sobre livros em geral. “Hoje, compartilhando meu amor pela leitura atrav√©s das redes sociais, tenho amigos de todo o Brasil e fa√ßo parte de v√°rios grupos onde conversamos sobre livros, marcamos para ler juntos as mesmas obras, e √© muito legal”, contou.

“Acho que¬†tamb√©m desenvolvi mais empatia, j√° que os livros me permitem conhecer realidades diferentes da minha e entender que o mundo vai muito al√©m do que eu consigo vivenciar dentro da minha exist√™ncia. E tamb√©m desenvolvi muita facilidade para escrita, apesar de ser p√©ssima com portugu√™s, mas, de tanto ler, termina que a coisa flui”, destacou a estudante de medicina.

 

Por outro lado, Maria Eduarda afirmou que a melhor coisa que a leitura proporcionou a ela foi ser reconhecida por ser leitora, al√©m de usar essa caracter√≠stica para influenciar as pessoas do conv√≠vio dela a ler. “Pude abrir uma livraria online e vender livros, na qual pude compartilhar e incentivar diversas outras pessoas com o melhor que um livro pode nos favorecer”, ressaltou.

“Eu tamb√©m fiz uma campanha no ano passado, no Dia das Crian√ßas. Atrav√©s da minha livraria, eu¬†consegui arrecadar 143 livros para doar¬†para uma comunidade carente. Eu doei para 143 crian√ßas. Uma das grandes coisas, tamb√©m, que os livros j√° me proporcionaram”, lembrou a estudante de direito.

Para o leitor, existe livro preferido?

 

Enquanto Maria Eduarda n√£o citou nenhum livro espec√≠fico e preferiu pontuar g√™neros liter√°rios, Joelena falou sobre um que, “no momento”, se tornou um “favorito da vida”: “Filha da fortuna”, da chilena Isabel Allende.

“Busco sempre ler obras expressivas e cl√°ssicos, mas nada impede que eu leia um romance, um suspense. Para mim, a leitura tamb√©m serve para relaxar. E nada melhor para isso do que um romance bem levinho ou um suspense de tirar o f√īlego”, justificou Maria Eduarda Azevedo.

“Meu g√™nero liter√°rio favorito √©, sem d√ļvidas, o nacional. Eu amo livros brasileiros, amo conhecer sobre o Brasil de agora e o de antes, viver nossa hist√≥ria de diferentes perspectivas de vida e tamb√©m, com isso, valorizar nossa cultura, que √© riqu√≠ssima”, ressaltou Joelena Brito.

Não tem fórmula, mas tem dica

 

Antes de saber das estudantes quais as dicas para ler mais ou começar a desenvolver o hábito da leitura na vida adulta, elas foram questionadas sobre a rotina de leitura que adotam no dia a dia.

Joelena foi direta: “Minha rotina √© inserir o livro onde d√°. Se for na pausa do almo√ßo, tudo bem. Se for esperando um √īnibus, tudo bem tamb√©m. Se for a noite, antes de dormir, perfeito. E se n√£o der todo dia, tamb√©m est√° tudo bem. Eu tento ler todos os dias, mas as vezes n√£o d√° pela rotina corrida, e quando n√£o d√° fica para o pr√≥ximo dia e eu vou tentando, sempre com um livro na bolsa, e vai dando certo”

J√° a estrat√©gia de Maria Eduarda √© um pouco diferente: “Eu sempre¬†adequo a minha rotina de leitura aos meus afazeres di√°rios. Ent√£o, isso se torna bem relativo. Nas f√©rias, por exemplo, eu busco ler por mais ou menos tr√™s ou quatro horas di√°rias. J√° quando tenho aula, est√°gio e trabalho, tento ler uma ou duas horas por dia”.

Dicas de Joelena

ūüďö “Escolha um g√™nero que voc√™ tenha certeza que vai gostar e um livro curto dentro desse g√™nero. Dessa forma, a hist√≥ria vai te prender, por j√° ser algo que voc√™ curte, seja um romance, um mist√©rio, qualquer coisa. E sendo o livro curto, voc√™ vai conseguir terminar e isso vai te dar a sensa√ß√£o de que voc√™ consegue iniciar e acabar um livro curtindo, fazendo com que voc√™ procure mais”.

ūüďö “Esque√ßa julgamentos, a doutrina√ß√£o de que ‘ah, s√≥ vale a leitura se for de cl√°ssicos’ e v√° no que voc√™ gosta, lendo um pouco todo dia… Cinco, 10 p√°ginas, que vai dar certo!”

ūüďö “Dica de ouro: leve o livro na bolsa para qualquer lugar! Nas pausas, voc√™ j√° vai ter mais uma op√ß√£o de distra√ß√£o, al√©m de redes sociais e etc, e isso tamb√©m vai te ajudar”.

Dicas de Maria Eduarda

ūüďö “Para as pessoas que desejam ler, saibam primeiramente que isso independe da sua idade, voc√™ pode ter 10 ou 70 anos, a hora de ser tornar leitor √© agora”.

ūüďö “Leia o que te d√° prazer! Voc√™ gosta de filme de romance clich√™? √ďtimo, leia um romance bem clich√™! Gosta de fantasia? Comece por Harry Potter!”

ūüďö “O h√°bito da leitura surge quando a gente decide dar o primeiro passo, quando lemos aquilo que nossos olhos n√£o conseguem desviar e quando temos metas di√°rias. Assim, depois isso se tornar√° um h√°bito para voc√™, bem como quando voc√™ escova os dentes e toma banho. Logo, livros cl√°ssicos ser√£o t√£o f√°ceis de ler quanto os romances clich√™s”.

   Veja mais no  G1 Caruaru

Deixar uma resposta


You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*