nov 6

6 novembro 2015

Tecnologia 4G deve acontecer no Pajeú em 2016

AraM4zU1_0gjilO2wnM7IuRI6UF7a_K4tLypBSci5GspPelo menos a implantação dos cabos de fibra ótica já estão acontecendo nas ruas de Afogados da Ingazeira onde deverá seguir até o Rio Grande do Norte.


Publicidade



Av_emOvcaHMx7CqiZUIvTrnwA9fZcNStE3WeRjCGUVChA expansão deve ficar pronta no próximo ano, a TIM promete que a estrutura vai melhorar em velocidade e qualidade os seus serviços.


Postado em Sertão | Por

nov 6

6 novembro 2015

Oportunidade de trabalho

AgUb4fxXQlyri8nsFa2TbcyWaCt0EVnqUMlM0jzSnRHgO Casa de Taipa Bar está a procura de auxiliar de cozinha, garçom  ou garçonete, procurar Valquíria.

AtAJc3I5TBedZK5uvpj9kAUHMV4XGPtejeTPF0btPf7O


Postado em Sertão | Por

nov 6

6 novembro 2015

Morador de Santa Terezinha denuncia lombadas irregulares na Zona Rural

AiLqVwjeIiqEseMw2VHQ_Jf60oQSON6zNnzpe-wHfzFQO morador Cosme José do Nascimento de Santa Terezinha  conhecido por “Cosme Preto”procurou a reportagem do Secretário do POVO, ele denuncia a construção de uma lombada irregular na Zona Rural.

Segundo informações do senhor Cosme Preto, a lombada tem mais de quarenta centímetros de altura, além dessa tem outra vala no local com mais quarenta centímetros.

unnamed-4

Ele disse ter procurado inclusive o Ministério Público  através de um ofício e até o momento não houve solução, Cosme Preto, busca uma providência, pois a lombada na zona rural é proibida.


Postado em Sertão | Por

nov 6

6 novembro 2015

Zeca Cavalcanti é cobrado nas cidades de Serra Talhada e Afogados da Ingazeira pela ausência

20150724_205731-600x338O deputado Zeca Cavalcanti (PTB) está sendo cobrado pela sua atuação nas cidades em que foi votado no Pajeú, entre elas está Serra Talhada e Afogados da Ingazeira.

Na primeira teve expressiva votação e até o momento nenhum benefício, na segunda em  Afogados da Ingazeira também foi cobrado sobre sua participação no município onde teve muitos votos.

A imprensa registra que Zeca Cavalcanti só tem olhos para sua cidade Arcoverde.


Postado em Notícias | Por

nov 6

6 novembro 2015

Fortalecer a produção de alimentos saudáveis é um das metas do Programa Uma Terra e Duas Águas

visita técnica

Kátia Gonçalves

Conhecer detalhadamente a realidade das famílias agricultoras do Semiárido e, a partir daí, mapear as fraquezas e fortalezas no campo da produção agroecológica, é uma das inovações metodológicas do Programa Uma Terra e Duas Águas, financiado pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (P1+2/MDS). A nova proposta foi apresentada pela equipe técnica da AP1MC, nos dias 4 e 5 de novembro, na capital do xaxado, Serra Talhada/PE.

No primeiro momento, agricultores/as, sindicalistas, líderes, jovens, estudantes, representantes do governo municipal e conselheiros participaram de uma visita técnica na propriedade da família do senhor Genivaldo Souza Silva (50 anos), no Assentamento Lajinha, localizado a 18 km de Serra Talhada. Na oportunidade, os/convidados/as conheceram o potencial das práticas agroecológicas numa área marcada pela estiagem.

Por ter esse exemplo de resistência é que a família serviu de referência para as demais pessoas que ali se fizeram presentes. “A proposta das visitas é evidenciar histórias de lutas e conquistas das famílias agricultoras contempladas com as cisternas, através da linha do tempo e do mapa da propriedade. Hoje, conhecendo a bravura dessa família, verificamos que, mesmo com a estiagem, é possível produzir alimentos de qualidade e é nessa perspectiva de produção agroecológica que queremos dar ênfase na execução do programa”, explicou  a técnica da AP1MC, Natalia Paulino.

essaPara a presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santa Cruz da Baixa Verde, Arlinda XXXXXX, o momento foi rico em conhecimento e regado de detalhes importantes para quem vive no semiárido. “Andando pela área de Genivaldo, a gente viu que a família mantem a vegetação nativa, se alimenta, comercializa produtos sem agrotóxicos e faz a conservação de forragens adaptadas para alimentação dos animais como alternativa de convivência com o semiárido”, concluiu Arlinda.

Já em Serra Talhada, os/as convidados conheceram a história da ONG Centro de Educação Comunitária Rural (Cecor), que há 20 anos vem transformando vidas no semiárido. Com o novo aditivo, a Instituição vai executar o P1+2, no município de Custódia, beneficiando 29 famílias. Para o coordenador do Programa, Carlos André, esse diálogo com as famílias agricultoras e parceiros é importante para difundir novas possibilidades que incentivem a produção agroecológica, através de exemplos concretos, como a experiência do agricultor Genivaldo.

No segundo dia, a equipe da AP1MC fez uma avaliação positiva da agenda proposta e apresentou uma nova ferramenta técnica que será utilizada pelas Instituições que vão executar o Programa, o Pentaho, um navegador que permite visualizar o histórico das famílias contempladas com os programas de convivência com o semiárido, as ações das ONGs em cada território, em formato de gráfico.

Contando história:

A Família de Genivaldo (pai) e Cícero Siqueira (filho), que comercializa na Feira Agroecológica de Serra Talhada (Fast), dispõe, na propriedade, de um biodigestor e das práticas conservacionistas do solo, de processo de forragicultura e do manejo de caprinos e suínos. Todos vivem da renda da agricultura familiar com base na agroecologia.


Postado em Notícias | Por